A Rede Cáritas está presente em Santa Maria e é representada por cerca de 40 agentes de todo o país

Movimentos Sociais, Levante da Juventude, grupos de Economia Solidária, sindicatos, cooperativas, estudantes, e a população de Santa Maria (RS) caminharam na tarde de hoje (11) pelas ruas da cidade, na 9ª Caminhada pela Paz e Justiça Social. A caminhada que tradicionalmente antecede a abertura oficial da Feicoop reuniu milhares de pessoas na Praça Saldanha Marinho e foi até o Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Loscheiter.

Durante o trajeto que seguiu pela Rua do Acampamento, Avenida Nossa Senhora Medianeira até Centro, muitas falas conduziram a multidão. A coordenadora do Projeto Esperança/Cooesperança, irmã Lourdes Dill, agradeceu a participação de todos e reafirmou que outro mundo é possível. “A feira é uma amostra de que outra economia pode existe. Temos que multiplicar essa idéia e lutar para que a Economia Solidária seja um direito dos trabalhadores”.

Com cantos de luta e palavras de ordem, os participantes manifestaram sua insatisfação com serviços como saúde e educação, tidos como direito dos cidadãos. “Essa luta é nossa, é a luta do povo. É só unidos que constrói um Brasil novo”, cantavam, mostrando apoio a grande paralisação e mobilização que marcou este dia 11, em todo o Brasil.

Passando pelo Santuário Basílica Nossa Senhora da Medianeira, a caminhada parou para homenagear o mentor da Economia Solidária em Santa Maria, Don Ivo Loscheiter. Esperando pela homenagem, estava a Irmã Terezinha da Silva, de 92 anos. Emocionada ela conta que foi Trazida para a cidade por Dom Ivo, para trabalhar com a Classe operária. “Estou muito feliz por ver essa homenagem, pois a mais de trinta anos vim para cá, trazida por ele, quando começamos a construção do santuário, como objetivo de fomentar o trabalho com a classe operária”.

Chegando, no Centro de Referência de Economia Solidária Dom Ivo Lorscheiter, local onde está O 2º Fórum Social, 2ª Feira Mundial de Economia Solidária e 20ª Feicoop. A caminhada também homenageou as vítimas da tragédia da boate Kiss. “Queremos nos solidarizar, não só com quem perdeu parentes e amigos na tragédia da boate Kiss, mas sim com todos que os perderam por motivos banais. Também, com os jovens que ainda sofrem com os ferimentos, com os país que ainda não puderam voltar a trabalhar pois estão cuidando de seus filhos. Queremos justiça”,  ressaltou o presidente AVTSM ( da Associação de Familiares de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria), Aderbal Alves Ferreira. Balões brancos foram soltos em memória as vítimas.

por Bruna Garbin, assessora de Comunicação da Cáritas Regional Rio Grande do Sul

No related posts.