Em meio ao intenso avanço da tecnologia e sua influência cada vez mais significativa nas relações humanas, a imagem, principalmente na internet, tornou-se algo banalizado. De acordo com a Constituição Federal, o direito à imagem cuida de protege-la de forma expressa e efetiva, distinguindo a imagem da intimidade, honra e vida privada. O direito à imagem assumiu uma posição importante principalmente após o progresso dos meios de comunicação, com a alta facilidade de captação de imagem e também sua reprodução.

Dentro desse aspecto, na última semana, o Centro de Referência em Direitos Humanos Dom Helder Câmara discutiu sobre a importância do zelo com o direito à imagem. Em debate, a psicóloga Cássia Furtado ressaltou a necessidade de valorizar-se esse direito, hoje em dia tão escasso. “Sempre que fizermos atividade coletiva, informaremos que vamos divulgar as imagens e solicitamos que, caso alguém tenha restrições, deve marcar na lista de presença”, cita a psicóloga do CRDH, Cássia Furtado.  Já a advogara do CRDH explica que o direito à imagem é muito importante e que “ninguém deve ser exposto sem o consentimento”, caso contrário, ocorre a violação de um direito.

Desse modo, o Centro de Referência em Direitos Humanos assume o compromisso de respeitar o direito de imagem de qualquer pessoa exposta aos trabalhos e atividades coletivas. Essa iniciativa é um alerta para que todos possam respeitar esse direito essencial, porém tão violado atualmente.

Por Rafaela Bez, estudante de jornalismo e voluntária de comunicação da Cáritas PR

No related posts.