Foto: Cáritas Brasileira

A Feira do Cooperativismo (Feicoop) de Santa Maria é um evento tradicional que acontece todos os anos, geralmente no mês de agosto, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, no Centro de Referência de Economia Solidária (EcoSol) Dom Ivo Lorscheiter. O Evento é intitulado como “o maior evento de Economia Solidária da América Latina” e, neste ano, foi realizado nos dias 18, 19 e 20 de julho, contando com a participação de cerca de 240 mil pessoas.

Os visitantes da Feicoop e da Feira de EcoSol vieram de quatro continentes (África, Ásia, Europa e América do Sul) e de 20 países: Argentina, Brasil, Canadá, Chile, China, Colômbia, Equador, Espanha, Estados Unidos, França, Haiti, Hungria, Itália, México, Nicarágua, Paraguai, Peru, Portugal, Senegal e Uruguai. Houve também a presença de 27 Estados brasileiros, com 542 municípios representados.

“É necessário manter viva a esperança de que um outro mundo é possível, com o mesmo entusiamo e alegria que  transmitiu o bispo do Haiti, Dom Pierre Dumas, dizendo: ‘queremos construir um novo mundo com a economia solidária”, ressaltou Valdinei Miranda, da Cáritas Diocesana de Ponta Grossa.

Os momentos de formação foram trabalhados com temáticas referentes às áreas da comercialização, autogestão, políticas públicas da Economia Solidária e também sobre os Fundos Rotativos Solidários. Houve também encontros de Entidades que trabalham com Economia Solidária, diversos seminários e planárias (inclusive mundiais), muitos com destaque no Ano Internacional de Agricultura Familiar.

O encontro aconteceu num espaço amplo, onde foi montada uma tenda principal para grandes momentos, e também outras tendas menores, local onde aconteceram oficinas. Também o espaço disponibilizava de um ambiente para comercialização dos Empreendimentos da Economia Solidária e Agroecologia; uma escola, onde aconteceram diversas oficinas, e um espaço para tenda do Levante Popular da Juventude. O espaço também dispunha de uma praça de alimentação e um local reservado para refeições, tudo preparado por grupos da Economia Solidária.

No mutirão que compõe a organização da Feira, 65 equipes de trabalho auxiliaram para que o evento acontecesse. Cerca de 250 entidades e 855 grupos expositores, os quais representam 8.300 empreendimentos em rede. Foram expostos mais de 10 mil produtos entre: Agroindústria Familiar, artesanato, alimentação, hortifrutigranjeiros, plantas ornamentais e produtos de oito povos indígenas.

Dentro do encontro aconteceram também a 14ª Mostra da Biodiversidade; a Feira da Agricultura Familiar Camponesa; a 10ª Marcha Mundial de Luta pela Vida, Paz e Justiça Social  e o 10ª Acampamento do Levante da Juventude.

A Feira foi promovida e realizada pelo Projeto Esperança/Cooesperança, Arquidiocese de Santa Maria, Prefeitura Municipal de Santa Maria e Banco da Esperança. O patrocínio foi de Cáritas, Campanha da Fraternidade, Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), Sicredi, Instituto Rio-grandense de Arroz (IRGA), Banrisul, Governo do Estado do Rio Grande do Sul, SUS, Anvisa, Sebrae, BNDES e Petrobrás.

Por Amauri Mossmann, secretário-executivo da Cáritas Paraná e Rafaela Bez, estudante de jornalismo e voluntária de Comunicação da Cáritas/PR

 

No related posts.