Diversos países, principalmente na América Latina, recebem milhares de refugiados que saem de seus países principalmente intensa perseguição política, étnica e religiosa e guerras civis. Países como o Equador são solidários a esses refugiados e por esse motivo sofrem um “inchaço”, já que, muitas vezes, não têm condições suficientes para abriga-los. Nesse aspecto, em solidariedade a países que recebem essas pessoas de modo acolhedor, o Paraná assinou ontem – sendo o projeto piloto nessa questão, em parceria com o Governo Federal – o “Termo de Cooperação entre estado do Paraná e o Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados – ACNUR para reassentamento laboral de refugiados. O objetivo principal é prestar solidariedade com o Equador, que recebe milhares de pessoas que fogem da Colômbia todos os anos.

Na última segunda-feira, no Palácio do Governo, o Centro de Referência em Direitos Humanos Dom Helder Câmara e a Cáritas Brasileira Regional Paraná presenciaram a assinatura desse novo projeto, o qual é piloto no Brasil – sendo o Paraná o representante –, que em 2015 recepcionará 100 refugiados, disponibilizando trabalho fixo durante o período de três meses, moradia e também o direito de transferirem-se para o Paraná com a família.

Por Rafaela Bez, voluntária de Comunicação Social do CRDH Dom Helder Câmara e Cáritas Paraná.

No related posts.