A maior ameaça que a redução da Área de Preservação Ambiental da Escarpa Devoniana traz é a retirada da cobertura vegetal nativa que ainda resta da Mata Atlântica, das araucárias e dos campos gerais em função do avanço do cultivo de monoculturas como pinus e eucalipto e da exploração mineral descontrolada.

A avaliação é de especialistas no assunto, pesquisadores e biólogos que também alertam que a aprovação do Projeto de Lei 527 vai gerar forte especulação imobiliária sobre a região, colocando em risco a sobrevivência de pequenos e médios agricultores. Teme-se que projetos de condomínios de luxo e parques industriais provoquem mudanças radicais nas características socioambientais nos 12 municípios da área de abrangência da APA.

É preciso que se diga que uma APA é uma extensa área natural destinada à proteção e conservação dos atributos bióticos (fauna e flora), estéticos ou culturais ali existentes, importantes para a qualidade de vida da população local e para a proteção dos ecossistemas regionais. O objetivo principal de uma APA é a conservação de processos naturais e da biodiversidade, através da orientação, do desenvolvimento e da adequação das várias atividades humanas às características ambientais da área.

A APA é uma unidade de conservação de uso sustentável, portanto, permite a ocupação humana. No entanto, toda e qualquer atividade dentro da APA precisa necessariamente ser sustentável. Para que isso se cumpra, existe o Plano de Manejo, que define o que pode ou não ser feito dentro da APA, e um Conselho Gestor, para analisar e sugerir ações na gestão da área. Com a APA é possível fiscalizar e controlar o que acontece na região, garantindo que as nascentes, rios e aqüíferos continuem limpos, as paisagens naturais continuem intactas, os pequenos produtores sobrevivam e a história e a cultura sejam preservadas.

Mais informações:
Comitê Pró-APA da Escarpa Devoniana
comite
apadevoniana@gmail.com
41 – 30239907 – Cáritas Brasileira – Regional Paraná

No related posts.